Como funciona um pressostato para compressor de ar

Nos dias de hoje, a pressão assumiu um papel importantíssimo para diversos processos produtivos, sendo, absolutamente, indispensável dentro do cotidiano de muitas indústrias.

São vários os sistemas que dependem da pressão para exercerem as suas respectivas funções. E, podemos encontrá-los nos mais diversos setores como:

  • Refrigeração;
  • Alimentício;
  • Hospitalar;
  • Automobilístico e diversos outros.

Entretanto, existe um alerta quando o assunto é pressão. E esse alerta está diretamente relacionado ao modo como esse recurso é manipulado e os riscos que ele pode oferecer.

Afinal, a pressão pode vir a oferecer riscos gravíssimos que podem colocar em perigo a saúde de diversas pessoas e, é claro, a estrutura física do local e das máquinas e equipamentos que também estiverem ao redor.

Portanto, nada mais justo que exista um grande controle sobre absolutamente todas as variáveis ligadas à pressão, não é mesmo?

Em outras palavras, é preciso que todos os equipamentos, que precisam lidar de alguma forma com a pressão, estejam com a manutenção em dia e em plena capacidade de funcionamento.

Porém, essa não é a única maneira de prevenir potenciais acidentes. Existem componentes, ligados aos equipamentos, capazes de contribuir de maneira bastante efetiva quando o assunto é segurança e proteção.

E, no artigo de hoje, vamos falar sobre o pressostato. Um instrumento de medição que é de extrema importância para o funcionamento de diversos tipos de equipamento, entre eles,os compressores de ar.

Acompanhe-me nesta leitura e saiba mais sobre como funciona o pressostato para um compressor de ar e qual é a sua importância.

Compressores de ar

Compressores de ar nada mais são do que equipamentos que possuem a capacidade de sugar e armazenar grandes quantidades de ar dentro de si.

Mas, é evidente que o seu papel não termina por aí. Afinal, essa utilidade pode servir para produção de energia pneumática, obtida através da compressão do ar. Mantendo o seu interior, sob pressão.

Essa energia pneumática pode ser utilizada em diversas aplicações, tais como:

  • Movimentação de máquinas;
  • Pinturas em geral;
  • Acionamento de ferramentas;
  • Acionamento de pistão;
  • Transporte pneumático.

Pressostato

O pressostato, por sua vez, é um componente responsável por medir e controlar a pressão interna dentro de máquinas e equipamentos.

Ou seja, trata-se de um importante recurso de segurança e proteção. Tendo em vista os riscos, que já alertamos no início desse artigo, que envolvem a manipulação de pressão dentro do âmbito industrial.

E, para cumprir esse papel, o pressostato vai contar com três recursos básicos. O primeiro deles é o sensor. Caberá a ele monitorar a pressão e emitir um sinal, caso ela esteja acima dos limites pré estabelecidos.

O segundo elemento é o mecanismo de ajuste. E, nesse caso, já estamos falando de um recurso cuja finalidade é bastante intuitiva. Sua função é estabelecer limites mínimos e máximos de pressão.

Por fim, existe uma unidade interruptora. Trata-se de um mecanismo de segurança responsável por cessar a atividade, uma vez que a pressão ultrapasse os valores máximos. 

Quando ligamos cada um dos três recursos disponíveis em um pressostato, já fica nítida a relação que existe entre eles..

Em um primeiro momento, definimos quais são os limites máximos de atuação. Depois disso, é só colocar o equipamento em funcionamento e, quem fará a leitura dos valores relacionados à pressão, será o sensor.

Quando esses valores ultrapassam os limites estabelecidos lá atrás, poderá entrar em ação a unidade interruptora, finalizando as atividades a fim de garantir a segurança do processo.

Pressostato para compressores de ar

Para funcionar, é preciso que o pressostato esteja ligado à rede elétrica. Entretanto, inicialmente não existirá pressão interna, não é mesmo?

Afinal de contas, ainda não existe ar comprimido no seu interior. O pressostato, ao perceber que essa pressão é baixa, ou inexistente, liga o sistema de pressurização.

De modo que a pressão começa a subir, à medida que entra mais ar dentro do seu interior.

Enquanto ocorre esse processo, mais e mais ar entra, gerando uma energia pneumática que também cresce gradativamente, aliada a pressão. Porém, um compressor de ar não é capaz de armazenar quantidades irrestritas de ar comprimido, é claro.

Não só não é capaz como esse armazenamento, se não for regulado, pode gerar sérios riscos.

E, para isso, entra novamente em ação o pressostato. Lembra quando falamos dos recursos presentes no pressostato?

Dentre eles, existe o mecanismo de ajuste, não é mesmo? Então, é esse mecanismo que vai estabelecer qual é o limite máximo de ar comprimido que o equipamento vai suportar antes de desligá-lo.

Feita essa cessão, o compressor vai parar de puxar ar para o seu interior e só voltará a fazer isso quando o ar comprimido, que estiver dentro do equipamento, for utilizado até que se alcance o valor mínimo estabelecido no pressostato.

Quando isso ocorre, o equipamento volta a funcionar e puxar ar, armazenando em seu interior e o comprimindo através da pressão.

Esse é o importante papel dos pressostatos quando associados ao uso de compressores de ar.

Conclusão

É válido ressaltar ainda que o pressostato não contribui apenas para o funcionamento de compressores de ar. Existe ainda a sua aplicação em equipamentos hidráulicos, por exemplo.

O fato é que estamos falando de um recurso muito importante. E se você quiser conhecê-lo, mais a fundo, acesse o nosso artigo onde falamos exclusivamente sobre o pressostato e a sua importância no que diz respeito à aplicação e segurança.

Deixe um comentário