Manufatura aditiva: o que é e para o que serve

A perspectiva industrial atual tem interesse em diversos fatores benéficos voltados à fabricação, sendo que três desses chamam a atenção das grandes empresas visto o potencial de aceitação: a flexibilidade, economia e o cuidado ambiental.

Por este motivo, entre tantos outros que serão abordados ainda neste texto, a manufatura aditiva foi bem aceita no mercado desde a sua aparição, e tem conquistado o seu espaço, sendo atualmente uma ferramenta indispensável na indústria.

Sendo assim, o texto de hoje trata de apresentar o que é a manufatura aditiva e para o que ela serve. Ao final do texto, com certeza você vai 

Métodos convencionais de fabricação

Ao longo do tempo, tivemos contato com os métodos convencionais de fabricação, seja pela experiência profissional, pelo dia a dia, através de filmes, programas de TV, entre outros.

Esses métodos se referem àqueles que deformam um material bruto através de força ou àqueles que removem o material através de processos, até que este se transforme em um um produto final, com uma geometria e proposta funcionais.

Entre os principais métodos de fabricação convencionais, podemos citar:

  1. Usinagem: processo em que uma ferramenta cortante remove material de uma peça para atingir as dimensões e formas desejadas. Exemplos incluem tornear, fresar e furar;
  2. Moldagem por Injeção: utilizada para a produção em massa de peças plásticas. Um polímero derretido é injetado em um molde e, posteriormente, é resfriado para formar a peça;
  3. Forjamento: o bloco de material é aquecido e moldado por compressão para formar uma peça desejada. É comumente usado em metais;
  4. Fundição: utilizando diferentes meios (fundição em areia, cera perdida, sob pressão), o metal líquido é despejado em um molde para criar peças complexas; 
  5. Conformação: processo que utiliza força para alterar a forma de um material, como estampagem e laminação;
  6. Soldagem: união de materiais por fusão ou pressão. A soldagem é usada para conectar peças metálicas e é essencial na fabricação de estruturas e equipamentos;
  7. Corte a Laser e Jato de Água: métodos de corte de materiais, como metal, usando feixes de laser ou jatos de água de alta pressão;
  8. Trefilação: processo em que um material, como metal ou plástico, é puxado através de uma matriz para reduzir seu diâmetro ou alterar sua forma;
  9. Mecanização: uso de máquinas para realizar operações de fabricação, como fresagem, torneamento e retificação;
  10. Moldagem por Compressão: utilizada principalmente para plásticos reforçados com fibras. O material é aquecido e pressionado em um molde para adquirir a forma desejada.

O que é a manufatura aditiva

A manufatura aditiva é um método de fabricação que tem revolucionado os paradigmas convencionais de fabricação, moldando então o futuro da produção industrial.

Mas o que seria a manufatura aditiva?

Bem, de modo intuitivo, através do seu próprio nome, a manufatura aditiva é um método de fabricação que constrói objetos, camada por camada, a partir de dados digitais tridimensionais.

Além disso, esse processo é comumente conhecido como  “impressão 3D”, oferecendo possibilidades de design e eficiência na produção.

Como Funciona a Manufatura Aditiva

A manufatura aditiva utiliza diversos processos, cada um adequado para diferentes tipos de materiais e aplicações. Entre os métodos mais comuns, podemos citar:

  • Fusão Seletiva a Laser (SLM): um feixe de laser é usado para fundir seletivamente camadas de pó metálico, construindo peças metálicas complexas;
  • Sinterização Seletiva a Laser (SLS): a partir de pós de materiais (plásticos ou cerâmicas, por exemplo), são sinterizados por um laser para criar objetos tridimensionais;
  • Estereolitografia (SLA): um laser é usado para solidificar camadas de resina líquida fotossensível, formando modelos precisos e detalhados;
  • Fusão de Deposição Direta (DED): um feixe de laser é usado para fundir material metálico ou cerâmico, depositado camada por camada;
  • Extrusão de Material: filamentos de plástico são extrudados e depositados em camadas sucessivas, formando peças em 3D.

Para o que a manufatura aditiva serve

Acredite: nos dias atuais, a manufatura aditiva é algo essencial para diversas indústrias.

É comum que nem todas as indústrias tenham serviços de usinagem internos, o que demandaria tempo desde a requisição de um serviço externo até a sua chegada na empresa.

Por isso, muitas empresas têm, à disposição dos seus projetistas, impressoras 3D de pequeno tamanho no próprio escritório, para suprir as suas necessidades industriais mais rapidamente.

Contudo, a manufatura aditiva vai além disso. Há vídeos pela internet que mostram coisas surpreendentes sendo criadas através da manufatura aditiva, inclusive um barco!

Para que você tenha maior ciência acerca de como a manufatura aditiva pode ser útil, leia os tópicos abaixo, os quais discorrem sobre os seus benefícios.

  • Design Complexo e Otimizado: a liberdade de design oferecida pela manufatura aditiva permite a criação de estruturas complexas e otimizadas para o desempenho;
  • Produção Sob Demanda: reduz a necessidade de estoque, pois as peças podem ser produzidas conforme necessário;
  • Economia de Material: a fabricação aditiva gera menos desperdício de material em comparação com métodos tradicionais;
  • Personalização em Massa: possibilita a produção em massa de produtos personalizados, atendendo às demandas individuais dos consumidores;
  • Agilidade e Rapidez: processos mais rápidos e flexíveis permitem ciclos de desenvolvimento e produção mais curtos;
  • Redução de Peso: estruturas leves podem ser projetadas, economizando peso e melhorando a eficiência em setores como aeroespacial e automotivo.


Desse modo, nota-se que através da adição de materiais para a produção e a recusa pelos métodos de usinagem, ocorre a redução de emissão de dióxido de carbono (CO2), além de possibilitar elementos e estruturas com peso e resistência otimizados, entre outros benefícios.

Portanto, percebe-se que a manufatura aditiva pode ser um método promissor quando o assunto é a inovação de fabricação.

 

Deixe um comentário